Galeria

Oficina de Psicologia – Pensando nas Tecnologias

Durante as últimas semanas, os jovens das turmas da manhã e da tarde trabalharam nas Oficinas de Psicologia com a temática da tecnologia e seu impacto nas relações interpessoais.

Foram realizadas atividades voltadas para autopercepção dos sentimentos ligados a privação do uso de celular e também a elaboração de um questionário sobre o impacto das tecnologias nas relações para posterior aplicação do mesmo pelo campus. No dia 30/09/16 os alunos assistiram ao filme Her, que aborda essas questões.

Segue abaixo o trailer.

Anúncios

58 comentários em “Oficina de Psicologia – Pensando nas Tecnologias

  1. Apesar de ser um filme futurista e que retrata uma época muito diferente da nossa, a história em si e a mensagem que ela passa é perfeitamente aceitável e compreensível para nós, pois a tecnologia nos influência muito em nossas relações interpessoais, às vezes ajudando as pessoas que realmente não conseguem se relacionar e muitas das vezes acomodando as pessoas com relações reais e fazendo-as se fecharem mais.
    Como no filme, Theodore era uma pessoa com relações normais mas que depois de sua separação acabou se fechando para outros relacionamentos e quando viu o Sistema Operacional como um amigo, foi inevitável amar e se relacionar com ele, porém esse não era um relacionamento saudável. Isso é muito comum hoje em dia, não digo se apaixonar, mas ter como seu único relacionamento.

  2. “Ela” retrata a solidão de Theodore, que após um relacionamento frustado, se tornou totalmente antissocial. O filme destaca a dependência das pessoas na tecnologia, que, mesmo sendo simulado no futuro, já é muito perceptível agora.
    A tecnologia está substituindo as relações pessoais atualmente, nos distanciando de todos. O filme faz uma crítica a nossa sociedade, que aos poucos está esquecendo de viver e se tornando completamente dependente da tecnologia. O que aconteceu no filme não está muito longe da nossa realidade, já que todos os dias a tecnologia avança cada vez mais e ficando mais presente em nossas vidas. Substituir nossas relações sociais por aparelhos eletrônicos não é sadio. O que é criado com o intuito de nos ajudar, pode acabar nos prejudicando.

  3. As pessoas estão tendo cada vez mais dificuldade para manter a relação pessoal por conta da evolução da tecnologia. É cada vez mais fácil manter o contato por meio de celular, computador, ou qualquer aparelho eletrônico que for, facilitando muito a dependência desses meios para se sentir amado, para se sentir seguro de si e assim poder se expressar para as pessoas.
    Ter muita dependência da tecnologia acaba mantendo você fixado com um “amor” que pode não existir, não tendo a consciência, dependendo de aplicativos para manter uma relação, que com o tempo, acaba prejudicando você, assim como Theodore acabou ficando totalmente dependente de algo que era artificial, no fim fazendo-o perder o seu amor por não ser algo presencial.

  4. No filme “Ela” é mostrado uma realidade talvez não muito distante de nós, podemos ver que hoje em dia, somos bastante dependentes da tecnologia e passamos muito tempo isolados por conta da globalização, que é o tipo de mundo que o filme transmite.
    O amor do Theodore pelo Sistema Operacional é algo (fictício) que pode ser encontrado no mundo atual, por conta de redes sociais onde as pessoas se comunicam com outras, não sabendo com quem ou o que estão realmente falando. Neste ambiente se tem “camadas” pessoa-computador-pessoa” e isso talvez possa interferir em alguns casos, como no filme, onde Theodore não sabia que ela era apaixonada por ele e mais 641 pessoas aproximadamente, quando aconteceu o choque de realidade.
    Nos comentários podemos ver uma frase citada pela Natália Locatelli “No inglês usamos “it” para coisas, objetos (como no caso seria a Samantha, por ela ser um SO) mas o filme se chama “her” por se tratar de uma mulher, com inteligência (artificial) e muita autonomia.” Onde eu achei muito interessante, porque na maioria das vezes, as pessoas só levam em conta o filme, mas o título quando analisado pode revelar muitas coisas sobre a história do filme.

  5. O filme mostra um pouco da atual realidade, cada vez mais a tecnologia está evoluindo, porém isso tem muitas vantagens e desvantagens. Acredito que não podemos deixar de lado nossos relacionamentos pessoais, nem substitui-los por máquinas ou relacionamentos virtuais.
    No filme, Theodore procura preencher seu vazio em um relacionamento com Samantha um Sistema Operacional, isso mostra também os sentimentos que nós somos capazes de sentir e que muitas vezes procuramos preencher nosso vazio de outras formas.

  6. O filme fala de um homem que compra um SO (Sistema Operacional) e acaba se apaixonando por ele. Quando se ouvi isso parece uma coisa impossível, irreal, mas após o termino do seu casamento ele se fechou tanto que só pensava no trabalho, e quando comprou o SO ele teve alguém com quem conversar e se abrir.
    O amor que ele sentia por ela, tem seus poréns. Por um lado, ele se apaixonou pelo o que ela era, pela sua personalidade e não por sua aparência. Mas por outro lado, ela não é um ser humano. O que ela sente não é real, é uma mistura de todos os sentimentos que ela viu/conheceu ao conversar com outros humanos. E também como ela não é uma pessoa carnal, ele iria sentir falta. As pessoas, mesmo sendo futuristas, precisa de contato humano.

  7. O filme “her” assistido na última aula de psicologia, trata de vários assuntos que presenciamos no nosso dia. O filme trabalha bastante sobre o relacionamento das pessoas com a tecnologia e o preconceito, com a historia do protagonista Theodore que cria uma relação amorosa com o seu sistema operacional.
    Ele trabalha bastante a dependência das pessoas com a tecnologia e o quanto isso afeta o dia-a-dia das pessoas, ao prestar atenção, vê que a comunicação com outras pessoas não existe… grande maioria das pessoas andando na rua conversando com seus sistemas operacionais e é isso que acontece hoje, as pessoas andando olhando para o seu celular ou conversando sem tirar o olho do aparelho celular, isso pode ser utilizado nos dias de hoje para demonstrar que atualmente somos controlados pelas tecnologias e não ao contrario. E também nota-se que a única pessoa que realmente achou loucura o Theodore ter uma relação com um SO, foi a ex-mulher dele. Enquanto para outras pessoas simplesmente era algo “legal” ou “normal”, e da para pensar com isso, como as vez desistimos de fazer algo porque as achamos que as pessoas terão preconceito, mas na verdade não possuem.

  8. Estudos mostram que quanto mais passamos tempo usando eletrônicos, mais sós nos sentimos. Theodore passa por momentos coerentes da nossa atualidade, que depois de passar pelo procedimento de divórcio, se sente sozinho.
    Ele decide recorrer a um Sistema Operacional e acaba se apaixonando pela voz desse sistema. Isso se torna uma “saída” pelo sofrimento que estava sentindo devido à separação. Hoje em dia, muitas pessoas buscam ajuda por esse meio.

  9. O filme Her aborda um tema que é muito discutido nos dias atuais. Que é a presença da tecnologia na vida das pessoas e como elas podem se tornar dependentes disso. O protagonista acaba se tornando refém da tecnologia, num momento em que está solitário e frustrado com a vida. Porém, a pergunta é: O relacionamento dele com um SO não pode ser verdadeiro e saudável?
    A maioria das pessoas vai dizer que não, mas essas mesmas pessoas provavelmente estão dependentes da tecnologia. E isso pode acontecer um dia. No filme o final não é bom para o protagonista, mas assim foram as relações anteriores dele. E claramente, ele pelo menos levou algo de bom do relacionamento com Samantha.

  10. O filme em questão retrata o que muitas vezes acontece no dia a dia das pessoas. A fácil acessibilidade e a dependência dos recursos tecnológicos, fazem muitos dos cidadãos esquecerem do que está ao seu redor, afetando suas vidas e relações sociais.
    Dessa forma, se torna necessário que as pessoas possam ter mais atenção no que realmente importa, como as amizades e a família, a fim de não se tornar como o personagem principal do filme, sozinho e apaixonado por algo em que nem podia se relacionar de forma concreta.

  11. Muitas pessoas procuram hoje em dia uma Samatha para si,-infelizmente a nossa tecnologia não chegou ao ponto de criar sistemas como os do filme- elas se apegam as coisas como se fossem seres vivos, amam, odeiam e são dependentes delas.
    As coisas ficam muito estranhas numa sociedade com essa característica, e a nossa sociedade tem essa característica, a dependência da tecnologia transforma o que era para ser um instrumento de aprimoramento da mente do ser humano em uma espécie de controlador universal do mundo, a rede, somos todos dependentes dela para viver, não mais dependentes dos amigos, mas da “rede social”. Não é necessário uma Revolução da Máquinas para a Tecnologia dominar o mundo, quando nós vivemos não interligados por meio dela, mas dentro dela, se alimentando de informações, ela de um modo patético e proletário já nos controla.

  12. Na sociedade atual, se tornou rotineiro as pessoas passarem a maior parte de tempo entretidas com as novas tecnologias, assim fazendo com que se tornem dependentes desse novo meio. Assim como no filme, algumas pessoas por se sentirem sozinhas, buscam uma outra forma de interagir, assim usando a tecnologia como um meio para sair dessa solidão. Porém, esquecem que é preciso bem mais que um simples computador ou algo parecido, para desfazer essa infelicidade.

  13. O filme retrata o avanço da tecnologia nos dias atuais em que um dia sera possível uma interação com os computadores em um nível extraordinário em que eles terão um Inteligencia Artificial capaz de tomar decisões e evoluir com ela, consequentemente o mundo já vai ter dado um passo tão grande em relação a tecnologia que é possível que a nossa realidade de hoje nem seja mais a mesma e seja tudo feito por alguma maquina ou até mesmos coisas que precisem ser manuais teria sido desenvolvido alguma ferramenta para facilitar o trabalho, nossa sociedade acredita que quanto mais maquinas serem inventadas eles estarão transformando um mundo melhor, mas na verdade estão apenas substituindo os humanos e assim tendo menos empregos e consequentemente mais pobreza e insatisfação do povo apenas para beneficio da alta sociedade em gerar mais lucro e crescer ainda mais a desigualdade dentro de uma sociedade podendo chegar em um ponto que a as pessoas não sejam mais necessárias, o que as pessoas não percebem é que eles não tem que humanizar as maquinas mas se humanizar.

  14. A tecnologia no mundo atual, alcança cada dia mais um nível maior de inteligência, sendo que na maioria das vezes, isso nos causa surpresa e até demasiado espanto. No filme, podemos perceber que essa sensação de surpresa ou espanto em relação ao alto nível de inteligência artificial é totalmente inexistente, sendo que relações humano/computador são consideradas normais ou aceitáveis.
    Theodore (protagonista), ao relacionar-se com um Sistema Operacional, demonstra estar em um estado frágil, abalado com a separação e se sentindo sozinho. A possibilidade de no futuro, computadores serem inteligentes a ponto de desenvolverem sentimentos e estes sentimentos acabarem sendo correspondidos por um ser humano, nos alerta que devemos respeitar todo tipo de amor.

  15. A dependência tecnológica não é um problema atual, mas foi impulsionada pelas novas invenções ao decorrer dos anos. Atualmente, a sociedade perdeu o limite entre a ação benéfica da tecnologia, como a transmissão de informações e o acesso ao conhecimento, e a dependência sob esses recursos. Desse modo, a sociedade é induzida à uma vida cada vez mais virtual.
    Claramente conseguimos visualizar que o protagonista Theodore é dependente da tecnologia, pois ele tem um “relacionamento” com um sistema operacional. Por mais que atualmente esse fato seja loucura, creio que não vai demorar para a sociedade consumista desses recursos começar a extrapolar com o uso incorreto ta tecnologia.

  16. A inteligência artificial demonstrada no filme pode não estar muito longe. Com a mais nova inovação da IBM, o chip que dispara informações de forma similar aos neurônios e que requer muito menos energia que os computadores atuais, é possível que simulações robóticas fiquem cada vez mais realistas, o que poderia mudar completamente nosso mundo nas próximas décadas. Tendo isso em mente, podemos analisar uma característica no filme que é muito parecida com o jeito que as coisas fluem na vida real, as pessoas se entregam completamente às tecnologias ao invés de usá-las como um complemento para suas habilidades, rendendo completamente o poder que nos faz humano para as máquinas.

  17. O filme relata um romance entre uma pessoa e um sistema operacional. Algo que, ao meu ver, seria impossível na vida real. Mas, mesmo com um enredo complicado de se compreender, a história mostra algo que está se tornando muito comum na sociedade: a dependência em aparelhos eletrônicos.
    Em determinada cena do filme, podemos notar que as pessoas estão concentradas em seus celulares, ignorando o que está acontecendo ao seu redor. Essa é uma cena muito comum em meu cotidiano. Infelizmente, muitas pessoas não sabem fazer uso adequado das tecnologias, e acabam se tornando dependentes.

  18. No filme “Her”, onde sistemas operacionais são os novos “acompanhantes” das pessoas, percebe-se uma sociedade alienada onde pessoas confundem as coisas e começam a relacionar-se com os robos.
    O filme é uma crítica dura à sociedade que passa mais tempo com seus smartphones/computadores do que com outras pessoas, por isso acaba criando um “vínculo” com elas. Com o desenrolar da história vemos a situação caótica que foi ocasionada pela criação de um sistema. Valores são esquecidos em nossa sociedade, relações interpessoais não são mais tão importantes, o trabalho e o estudo necessitam do apoio da tecnologia que está tomando conta de nossas vidas sem ao menos percebermos.

  19. O filme “Ela” conta a história de um homem que após o fim de seu casamento, entra em um estado complicado de solidão, mas isso muda a partir do momento em que ele compra um sistema operacional com inteligência artificial e começa a se apaixonar por este.
    O filme aborda questões interessantes e que de certa forma, se ligam ao nosso cotidiano, como por exemplo o uso excessivo da tecnologia, que faz com que as pessoas estejam menos presentes no mundo real e mais presentes no mundo virtual, deixando de lado o convívio em sociedade. Mas, o filme também aborda a questão de o quanto uma pessoa pode se sentir sozinha e o quanto a tecnologia beneficia no bem estar dessa pessoa, pois como no caso de Theodore, ele se apaixonou por uma máquina, mas criou um sentimento tão forte por ela a ponto de esquecer todo o resto, de não ligar para o que os outros pensariam e para seus outros relacionamentos pessoais.

  20. A tecnologia está cada vez ganhando mais espaço na vida das pessoas; hoje, capaz de influenciar decisões e mudar vidas. O filme “Her” é interessante por se encaixar justamente nessa ideia, em como a tecnologia pode mudar alguém.
    Mas, a que ponto a tecnologia pode nos levar? Hoje as pessoas já convivem com outras sem ter proximidade geográfica, o caso de Theodore e Samantha é um exemplo de que a distância não separa pessoas, o que separa é a falta de comunicação. Theodore e sua ex esposa se separaram por uma falha de comunicação, o contrário do que acontecia com a Samantha. Mesmo sendo um OS, tinha personalidade própria e conquistou laços afetuosos com Theodore. Tudo isso é uma ideia do que pode acontecer num futuro muito próximo, então o filme pode servir como um alerta.

  21. O filme mostra em várias cenas o que acontece hoje, porém de uma maneira um pouco mais além do que ainda vemos. O personagem principal, Theodore se mostra extremamente dependente da tecnologia, principalmente após ter terminado seu casamento que no início parecia perfeito.
    Muitas pessoas hoje tentam suprir a falta de alguém ou algo com aparelhos eletrônicos de última geração, jogos, etc. e acabam se esquecendo das pessoas a sua volta, vivendo apenas em uma “caixinha de ilusões” dentro do seu imaginário. Isso foi mostrado de uma maneira bem clara no filme “Ela”, pois quando finalmente ele se desprendeu do que o fazia dependente, ele voltou a conviver melhor socialmente com as pessoas ao seu lado.

  22. O filme “Her”(Ela) conta a história de um homem, que há um ano saiu de um relacionamento e não consegue superar o processo de divorcio e se relacionar com outras pessoas. No meio disso, acaba comprando e se apaixonando por um SO (Sistema Operacional).|
    Varias situações do filme podem ser abordadas no nosso cotidiano, como, por exemplo. O que significa amar? Como definir o que é real? Embora fosse um sistema, ela era capaz de sentir, pensar, amar, então porque não deveríamos considerar o amor dela como real. Como podemos saber que não somos os únicos no mundo a ter emoções e pensamentos reais, e as outras pessoas são apenas simulações fingindo sentir algo? Considerando a escala evolutiva da tecnologia VR e AI, a possibilidade de estarmos no mundo real e não numa simulação futurista (tipo Matrix) é muito pequena.
    Com o passar dos tempos, cada vez mais nos tornamos dependentes e “apaixonados” pela tecnologia, passamos muitas vezes conversando mais por meios eletrônicos do que pessoalmente, se pensarmos nisso, não estamos tão longe assim da realidade do filme.

  23. o filme se trata de um homem, que não sabia lidar com amores reais, não decidia sua vida amorosa com a mulher que amava e com mais ninguém que surgia em sua vida, se tornando assim um homem triste solitário. E acabou ao longo do filme se apaixonando por seu sistema operacional, o que é sem noção, e com ela sim ele se dava bem” com a voz” que ouvia, tudo estava perfeito para ele pois ouvia o que queria e quando queria até que um dia se deu conta de que ela não falava só com ele mais com todas as pessoas que tivessem um sistema operacional.
    Muitas das vezes em nossos dias atuais a tecnologia tem feito com que nos distanciamos das pessoas que amamos e não aceitamos muitas das vezes o que a outra pessoa pensar etc. E acabamos também não sabendo lidar com a situação como (theodor), devemos para e pensar, ninguém é igual a nós e ninguém pensa como nós, melhor ter uma pessoa de verdade do lado do que uma ilusão.

  24. O filme está muito ligado com a nossa realidade, estamos cada vez mais conectados. Não só a juventude, mas também as pessoas de mais idade, usam e dependem dos “smartphones” “tablets” entre outros aparelhos eletrônicos, são instrumentos que facilitam na comunicação a distância, ma s que muitas vezes atrapalha no nosso cotidiano na comunicação com as pessoas que estão ao redor.
    Para muitos, a relação que a personagem principal “Theodore” tem, parece estranha, por ser uma relação com um Sistema Operacional, mas se pararmos para analisar, em outros países como na China, vemos pessoas que mantem relações com bonecas. Então podemos concluir que não uma realidade tão distante da nossa.

  25. Com todo esse avanço da tecnologia as pessoas hoje já estão quase nesse nível de relacionamento com um computador ou até mesmo com o sistema operacional, como foi retratado no filme. A relação que Theodore tinha com o sistema operacional dele não chega a ser tão abusiva porque na vida real muitas pessoas começam um relacionamento com outras pessoas que elas não conhecem pessoalmente e muitas vezes levam esse relacionamento por muito tempo. Mas existe uma diferença, mesmo que você mantenha um relacionamento com alguém a distancia você ainda sabe que um dia há uma chance de conhecer essa pessoa, com Theodore isso não poderia acontecer, mas ele não parecia que tinha a noçao disso. Então na minha opinião a relação que ele tinha não era nada sadio.

  26. O filme nos mostra um pouco da realidade de algumas/muitas pessoas, pois muitas pessoas gostam, não verdadeiramente de uma pessoa, mas do jeito dela, no jeito de falar, entender, responder o que se quer ouvir, por isso, alguns apaixonam-se por sistemas operacionais, uma vez que ele foi programado para responder o que você quer ouvir.
    Acredito que esse “acontecimento” pode tornar-se algo muito comum no futuro, por que cada vez mais, as pessoas estão “dependentes” da tecnologia, assim, é muito mais fácil relacionar-se com um sistema operacional, do que com uma pessoa, pois, não terá acontecimentos de um relacionamento comum.

  27. A tecnologia teve um grande avanço com a criação de computadores, celulares e internet no século XX, a evolução desses sistemas de compartilhamento de informações foi algo surpreendente ao longo do século. Com a chegada do século XXI essas tecnologias ficaram mais acessíveis às pessoas, pelos sistemas que são utilizados, por serem menores e assim poderem ser carregadas facilmente para qualquer lugar e também por serem usados diariamente no trabalho, estudos ou simplesmente por lazer.
    No filme “Her” mostra como estamos nos tornando dependentes dessas tecnologias, pois, o protagonista tem sentimentos por algo que não é real. No inicio parece ser estranho, mas ao longo do filme, Samantha cria uma personalidade, fazendo com que Theodore se apaixone por quem ela “é”. O problema nisso é que o protagonista deixa de ter experiências reais, com pessoas, tanto que rejeita um relacionamento com uma mulher, portanto, esse filme demonstra que a tecnologia influencia nas relações pessoais.

  28. Tendo em vista que a evolução é algo inevitável, é bem possível que em um futuro não tão distante teremos tecnologias a esse nível, o que não garante que antes disso já tenham pessoas se apaixonando por maquinas.
    Apesar do filme retratar uma sociedade onde todo mundo compreende e convive normalmente com a tecnologia avançada, acredito que isso só acontecerá dessa forma no momento em que as pessoas começarem(já estão) a se excluir do mundo para passar todo seu tempo com aparelhos eletrônicos, esquecendo que o mundo lá fora é muito mais interessante, e que pessoas ao seu lado podem lhe fazer mais feliz do que simples tecnologias que as próprias pessoas criaram, com um sentido totalmente diferente.

  29. O filme fala sobre um homem que se apaixona pelo sistema operacional, que é a realidade de algumas pessoas hoje em dia, as pessoas ficam dependentes da tecnologia, e não conseguem mais “viver” sem elas.
    Com isso se isolam da família, dos amigos, das pessoas que fazem o bem para ela. Mas por outro lado as pessoas que se sentem sozinhas esse “isolamento” é muito bom pois é um jeito que a pessoa acha de fugir dos problemas dela, sendo vendo um vídeo de alguém, lendo um blog, entre outras coisas

  30. Achei o filme muito interessante pela questão de se envolver com o que vimos hoje em dia, mostra muito o que várias pessoas passam atualmente. Pessoas deixando de se relacionar com pessoas de outro sexo (Feminino/Masculino) por situações que acabam não dando certo, por isso acabam trocando por Redes sociais e tentando fazer um relacionamento a longa distância para achar uma pessoa certa, se sentindo mais seguro em questão disso.
    Que retrata isso muito no filme, o cara acaba não tendo muita vontade de se entreter com outras mulheres e acaba partindo pra um sistema mais novo, como uma rede social só que muito mais avançado e se sente muito mais livre para falar o que pensa.

  31. A sociedade atual está incorporada a tecnologias o tempo todo, seja em casa, nas escolas, no trabalho e nas ruas; percebo que isso está deixando as pessoas dependentes de aparelhos eletrônicos e esquecendo ou talvez deixando de lado o contato humano, para estar com a virtualidade. Nenhum jovem e nem quem não tinha tecnologias hoje está assim, sentindo necessidade de estar com o celular e computador e etc. todos os dias.
    O filme já é uma bola de cristal demonstrando o futuro da humanidade, a união de sentimentos programados que interagem com o ser humano e que aprende com nós a vida humana na terra; como o amor e etc. Isso irá nos desconectar da face biológica que temos uns com os outros, além de aumentar o índice acidentes no trânsito, e de saúde como ansiedade, obesidade, problemas cardíacos e de visão, pois estaremos tão inseridos na tecnologia que ficaremos apenas sentados, deitados, deixaremos outras tarefas de lado e entre outras coisas.
    Claro que do meu ponto de vista não será como uma bomba atingindo a todos, e sim em grandes centros populacionais do mundo em que a tecnologia está em toda parte consumindo a essência humana. Esses pontos colocados podem acontecer se não aprendermos a controlar nossa vida com a tecnologia, isso é tudo pode ser um “SE” mas também pode ser um “É” no futuro mais próximo.

  32. Todos os seres deste universo possuem um sistema de comunicação, como, por exemplo, os animais, as plantas e nós humanos, os quais possuímos a linguagem de comunicação mais complexa. Mas e se algum dia fosse inventada alguma máquina que pudesse adquirir toda essa complexidade e ter a possibilidade de aprender por si mesma? Pois bem, no filme “Ela”, lançado em fevereiro de 2014, o protagonista do filme compra um SO (Sistema Operacional) que possui um tipo de Inteligência Artificial, sendo capaz de aprender e desenvolver ideias semelhantes ao cérebro humano, sendo assim, o ator se apaixona pelo o sistema e passa a conviver com ele no seu dia a dia.
    Portanto, o filme se baseia em uma história dramática em que possamos refletir o amor e o afeto diante de alguma coisa, a reflexão dada diante destes fatores é que não importa com o que estamos lidando, pois mesmo que um sistema não possua um cérebro ele possui uma mente, a qual pode fascinar a vida de alguém, diretamente à ternura e afeição.

  33. A história conta sobre um homem que se apaixonou por seu Sistema Operacional, pensando por um lado parece loucura alguém querer namorar um “computador”, mas no filme mostra que o SO vai aos poucos aprendendo coisas novas e adquirindo até mesmo uma vida própria, fazendo com que ele se apaixonasse por ela, pois ela tinha todas as qualidades que ele gostava e esperava em uma pessoa.
    Theodore quando se divorciou de sua esposa, acabou ficando uma pessoa muito solitária e quando comprou o Sistema Operacional achou um novo sentido para a vida, pois o SO tinha sentimentos humanos processados por uma máquina que aprendia e evoluía conforme ia conversando e interagindo com os humanos, Samantha se tornou pra ele realmente uma pessoa real que ele acreditou que poderia se relacionar pelas atitudes que ela tinha.
    O filme mostra que não existe uma única forma de amor, o amor pode existir de maneiras inusitadas, incomuns, mas de uma forma legítima.

  34. O filme mostra como os seres humanos podem ter sentimentos por máquinas, no início parece ridículo o modo como é mostrado, porém, faz todo sentido. Hoje em dia não sentimos literalmente o que o filme mostra, mas sabemos que muitas pessoas se apaixonam por máquinas, se casam com bonecas e outras bizarrices. Percebi no filme que nós humanos, não nos apaixonamos pelas pessoas em si, mas o modo como elas nos tratam. Se conversamos muito com uma pessoa e amamos o modo como ela é, na maioria das vezes nos apaixonamos, e por que seria diferente um com um sistema que parece uma pessoa?

    Outro ponto importante é que o filme mostra várias vezes, as vezes discretamente, é o fato de que as pessoas trocaram outras pessoas por uma inteligência artificial. Após o lançamento do Sistema Operacional Inteligente cada pessoa foi comprando esse sistema e criando um laço especial com ele, seja amizade ou amor. Na cena em que ela se desliga por um momento, ele sai correndo desesperado e ninguém parece ligar, ele parece até ser invisível. Outra parte dessa mesma cena é quando ele senta na escada do metrô, no fundo da cena é possível ver cada pessoa conversando no microfone com seu SO, trocando conversas com pessoas por uma conversa com uma inteligência artificial.

    Essa é a parte que mais me chamou a atenção, por que quando estamos olhando o filme parece tão ridículo, mas se pararmos para pensar, fazemos a mesma coisa no nosso dia a dia. Talvez não exatamente como o filme mostra, mas bem próximo. Muitas vezes estamos mexendo no celular em vez de puxar assunto com um estranho no metrô ou até mesmo um amigo. Eu adoro a ideia do celular de aproximar quem está longe, mas odeio a ideia de afastar quem está por perto.

    Vitória Müller Teixeira – Manhã

  35. bem, o filme que assistimos sexta feira passada se trata de um futuro não tão distante da nossa atual realidade, pois como vemos nas noticias, as novas tecnologias que vem surgindo a cada ano tem como função facilitar as nossas ações comuns do dia a dia. E nesse filme, vemos que essa nova tecnologia criada para facilitar uma das coisas mais complicadas do mundo, que seria os relacionamentos pessoais e as necessidades humanas.

    Se pararmos para pensar, o filme de certa forma se trata sobre as interações humanas e como as pessoas são complicadas.E baseado nesse contexto, o filme encontra uma brecha para facilitar esse convívio social que muitas pessoas tentam encontrar. Mas como as pessoas tem dificuldade até de se entender, como elas iriam conseguir entender outra pessoa. Por isso eu vejo que esse sistema criado com inteligência artificial poderia ser um salvador para as pessoas, mas ao mesmo tempo um sistema que causa uma forte dependência em pessoas mais solitárias.

  36. Onde o personagem principal se encontrava triste pelo final de seu relacionamento e agora com o divórcio, ele pôde ver que aquele término não era o fim do mundo quando o mesmo resolve comprar um novo sistema operacional, o qual ele passa a se apaixonar.
    O filme “Ela” é encantador, de todos os modos. Certamente, este filme quebra barreiras impostas por muitos, mostrando que pode haver sentimento onde muitos julgam não poder existir, assim demonstrando um amor épico entre um homem e uma máquina. E temos as redes sociais, como outro exemplo, onde se pode encontrar muitos relacionamentos com pessoas totalmente desconhecidas que dizem se amar incondicionalmente, aquele sentimento que é capaz de te consumir por inteiro sem ao menos se importar com o que os outros irão pensar.
    Esta história acaba com os julgamentos que as vezes podemos ter e evidência os limites da realidade a partir da percepção de cada um.

  37. Primeiramente o filme se trata de um homem (Theodore) que recém terminou um relacionamento e que está “carente”, algo que facilita muito o envolvimento dele com o seu novo sistema operacional; onde ele escolhe que teria uma voz feminina e ela se nomeia de Samantha, que no começo era só pra ser apenas uma ‘amizade’, no qual ela ajudava ele nas suas tarefas do cotidiano… Mas acabou indo além.
    Achei bem interessante o filme, pois muitos o chamaria de louco por se apaixonar por um sistema operacional… quando na verdade deveria ser aceita toda a forma de amor, sendo ela física ou não. E é válido lembrar que o filme seria o nosso “futuro”, então não sabemos se isso realmente não possa vir a acontecer.

  38. A web influencia com certeza na Globalização, um acontecimento em qualquer lugar do mundo que antes demorava dias para que chegar até nós , hoje demora 5 minutos. Tudo tem seu lado bom, mas devemos impor limites.

    O filme talvez nos mostra um futuro próximo, mas confesso que fico com medo…. hoje estamos ciente que a tecnologia talvez já esteja passando do seu limite e pessoas preferem interagir com dispositivos eletrônicos do que com amigos ou familiares, mas pensar que tudo pode ir além do que está, que além de um S.O demonstrar afeto, e substituir pessoas, ainda pode influenciar sentimentos e até mesmo escolhas, e além de tudo isso a humanidade ficar totalmente dependente, é assustador!!!!!

  39. Pelo pouco que ví, isso é muito real nos dias de hoje onde temos diversos aplicativos que sabem muito de nossas vidas, como quando saímos de casa ele nos diz e da sugestões de lugares para irmos, nos avisam de reuniões que temos e outros eventos, e muitas pessoas ficam presas a estas “facilidades” e acabam se viciando nisso. Muitas vezes as tecnologias que facilitam nossa vida também atrasam nossos relacionamentos

  40. Hoje em dia nossos valores estão distorcidos, percebemos claramente nesse filme o quão avançado pode chegar o significado de amor para uma pessoa. Como esse amor pode ser complexo e ultrapassar barreiras que, até então, são inultrapassáveis (o estar junto fisicamente, a visualização da pessoa, o saber quem é, etc).
    No inglês usamos “it” para coisas, objetos (como no caso seria a Samantha, por ela ser um SO) mas o filme se chama “her” por se tratar de uma mulher, com inteligência (artificial) e muita autonomia. Apesar de parecer uma realidade distante, estamos nos encaminhando para isso, para quebrarmos paradigmas de relacionamento e estarmos cada vez mais afastados da humanidade como um todo.

  41. Esse filme mostra como nosso dia a dia dependemos da tecnologia e como nos afastamos da sociedade pela nossa dependência.
    Nesse filme ele conta a história de um homem que está separado e meio solitário que acaba comprando um OS que é inteligência artificial que se auto se chama de Samanta bem esse homem se apaixona pelo OS.
    Esse filme é bom mesmo com certos fatos intrigantes como o fato que eles usam um estilo de roupa meio ultrapassado para um futuro.

  42. Apesar do filme se passar em outra época, ele demonstra muito bem o que a tecnologia esta fazendo com a sociedade, cada vez mais as pessoas estão se isolando e ficam anti-sociais, vejo isso o dia todo kkk. O futuro pode ser muito parecido com o que o filme mostra, a tecnologia vai estar muito mais interativa e próxima de nós, e como esta em constante evolução provavelmente não precisara de alguém atras de um monitor, por exemplo.
    Se será bom ou ruim precisamos esperar, mas com certeza muitas pessoas perderão seu trabalho para máquinas. Para as pessoas solitárias como o protagonista, será mais um motivo para não querer socializar com outras pessoas.

  43. “Ela” mostra como a paixão quase nunca está ligada à realidade, mas à ideia do outro criada na nossa cabeça, ainda mais num tempo em que muito se fala (ou escreve, nas redes sociais) sem nada dizer.
    Nos faz refletir que muitos trocam as pessoas por redes sociais e preferem manter um relacionamento com pessoas a distância.

  44. Na minha percepção deste filme é que as pessoas deixam de ter relacionamentos sociais para ter um relacionamento cada vez mais dependentes de máquinas e programas. Um exemplo você sabe como se escreve uma palavra, mas para ter certeza escreve ela no Google para ver se escreveu corretamente.

    Na minha opinião o filme mostra claramente o que está se tornando o relacionamento entre as pessoas e o relacionamento do homem com a máquina e como estamos nos tornando obsoletos em relação as pessoas e dependentes da tecnologia.

  45. “Ela” conta, com a historia do personagem principal, como nossa idealização por um relacionamento, acaba fazendo com que muitas vezes procuremos formas mais fáceis de nos relacionar, muitas vezes, com pessoas distantes, sem enxergar suas manias e defeitos cotidianos.
    O filme é uma critica ao uso exagerado da tecnologia e como ela tem substituído as relações pessoais que possuímos, mostra a linha tênue entre os malefícios e os benefícios que nos traz essas relações tecnológicas.

  46. “Ela” é um filme muito interessante, pois ele se passa em anos alem, mas relata o que acontece hoje em dia, a tecnologia esta tomando conta de nos, nos vivemos para tecnologia, hoje em tudo que se faz, á tecnologia envolvida, no filme, relata que ele se apaixona por uma mulher que é um sistema operacional, isso é o que vai acontecer logo, a tecnologia esta muito avançada.
    Hoje em dia , tudo que você precisa á tecnologia te dispõe, você precisa de assistência? use um celular… você precisa de uma pesquisa? use o computador… você precisa de transporte? use um carro, uma moto… ja estão criando robôs para servir de companhia para pessoas, robôs que reconhecem seus comando, e se adapta a você, quase igual ao sistema operacional de “Ela”, sou um pouco recioso do que esta por vir daqui pra frente.

  47. Aluno: Júlio Kumann
    Turno: Manhã
    As questões que filme aborda, como o avanço da tecnologia e o constante uso disso em nossas relações pessoais, são muito semelhantes como no nosso presente. Embora não nos comunicamos com maquinas diretamente, a principal fonte de Informação, Lazer e comunicação da maioria das pessoas é através de um dispositivo computacional.
    Outro ponto que faz paralelo com a realidade atual, é a maneira com que cada vez mais, estamos vivendo em uma bolha, onde nossas redes sociais, celulares, e computadores (assim como o sistema operacional do filme) se molda somente com coisas que nos gostamos, e quando encontramos algo que não concordamos, facilmente podemos parar de seguir o dispositivo que nos informou. Desta maneira, quando as pessoas enfrentam um problema ”real” ( No filme, uma separação de relacionamento), muitas vezes não sabemos lidar.

  48. As pessoas de hoje em dia estão muito dependentes de computadores e celulares assim como no filme, o homem não consegue mais viver sem o seu sistema operacional.
    A história relata mais ou menos o que a população está se tornando com essas tecnologias, elas estão mais solitárias e apenas querem saber de seus “amigos” virtuais, não tem alguém pra conversar pessoalmente e vivem fora do mundo “real”.

  49. O filme retrata o amor de uma pessoa por um sistema operacional, algo parecido com aquelas paqueras virtuais quais você nunca viu a pessoa pessoalmente mas se apaixona intensamente, isso é muito comum nos dias de hoje.
    Mas também mostra como a pessoa pode ficar obcecada com a tecnologia e esquecer da vida real, esquecendo da socialização e deixando de lado amigos ou até mesmo a família, às vezes deixando de lado uma tarde inteira de atividades por um simples aparelho eletrônico.

  50. O enredo do filme se encaixa perfeitamente nos dias de hoje, onde as pessoas se tornam dependentes da tecnologia e esquecem que a vida é mais do que apenas um clique no computador ou celular. Claro que é um recurso muito eficiente e que realmente nos ajuda no dia dia, mas até que ponto ele se torna realmente necessário?
    Quando nos afastamos das pessoas à nossa volta, oque já esta acontecendo atualmente, é que percebemos que é essa tecnologia que nos controla e não o contrário e sendo assim, nos deixamos levar pela facilidade e ficamos cada vez mais relaxados e a vontade em se “desconectar” do mundo real.

Comente este post

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s